Deficiência de K no algodoeiro

O potássio (K) é um nutriente requerido pelo algodoeiro em quantidade similar ao nitrogênio (N). A época de máxima taxa de absorção coincide com o florescimento e durante o desenvolvimento dos frutos a absorção de K é baixa, mas a translocação para os frutos é intensa, o que, dependendo da disponibilidade de K no solo e da quantidade fornecida via fertilizantes pode expressar sintomas de deficiência de K (Figura 1). 

Figura 1. Deficiência de K em lavoura de algodão.

Fisiologia

Dentre as diversas funções desempenhadas pelo K cita-se o papel nas relações hídricas (controle da abertura e fechamento estomático), ativação enzimática, incluindo a Rubisco, equilíbrio de carga e transporte de carboidratos. A deficiência do K resulta em menor deposição de celulose na parede secundária das fibras, piorando a qualidade da fibra como micronaire, comprimento e resistência, além de antecipar a maturação, inibindo a expressão do potencial genético das cultivares. 

Teores inadequados de K na planta resultam em acumulação de carboidratos nas folhas (fontes) e reduzem a taxa de transferência de carboidratos aos frutos (drenos) (Figura 2). Assim, é importante que haja equilíbrio entre as adubações nitrogenada e potássica, pois o resultado do desbalanço é a redução do peso do capulho. Geralmente teores de K na folha (início do florescimento) entre 15-25 g/kg são considerados adequados, porém abaixo disso os sintomas de deficiência tendem a aparecer (Figura 3).

Uma imagem contendo quarto, desenho

Descrição gerada automaticamente

Figura 2. Efeito do suprimento de N e K sobre o teor e taxa de transferência de sacarose, peso específico da folha de algodão e peso médio do capulho.

Uma imagem contendo quarto, comida

Descrição gerada automaticamente

Figura 3. Aspecto visual de folhas sadias e deficientes de algodão na fase de enchimento de frutos.

Solo

O principal mecanismo de transporte do K até a raiz é por difusão, mas o fluxo de massa pode ter contribuição significativa no processo quando a concentração de K na solução do solo é elevada. O K possui carga positiva, o que significa que será retido nas cargas negativas das argilas ou da matéria orgânica do solo. Porém, em solos arenosos (<20% de argila) o K terá menos cargas negativas para se associar, e quando o solo estiver úmido o K não adsorvido estará na solução do solo, aumentando a possibilidade de ocorrer fluxo de massa mas também lixiviação.

Ciclagem do K com o uso de plantas de cobertura

Plantas de cobertura com sistema radicular vigoroso e profundo podem absorver o K lixiviado às camadas profundas do solo (superior a 1 m), onde geralmente o sistema radicular das culturas agrícolas não chegam devido às condições químicas, físicas e biológicas. O K absorvido em profundidade será reciclado quando a biomassa da planta de cobertura for manejada (roçada ou dessecada), e logo após as primeiras chuvas boa parte do K será lavado dos tecidos, pois o K não é componente estrutural da célula e forma ligações com moléculas orgânicas de fácil reversibilidade. 

Cultivares de algodão

Cultivares modernas são mais exigentes em relação as antigas devido ao aumento do potencial produtivo e ao encurtamento do ciclo, pois cultivares precoces são mais sensíveis a deficiência e mais exigentes em K pelas estruturas reprodutivas no início do ciclo e ao seu sistema radicular ser menor que o das cultivares tardias.

Produtividade e qualidade da fibra

Deficiências de K ao final do ciclo podem indicar grande carga frutífera na planta (Figura 4) e em alguns caso não comprometer a produtividade. Porém se a deficiência aparecer no início do florescimento, em geral a produtividade será limitada.

Uma imagem contendo ao ar livre, grama, homem, foto

Descrição gerada automaticamente

Figura 4. Deficiência de K no algodoeiro na fase de enchimento de maçãs. Nota-se que o grande número de drenos (frutos) intensifica o aparecimento dos sintomas de deficiência.

A absorção de K pelo algodoeiro varia de acordo com o potencial produtivo, assim lavouras de 1000, 1800 e 2400 kg/ha de fibra absorvem, em média 77, 167 e 250 kg/ha, dos quais 21, 17 e 15% são exportados, respectivamente (Rochester, 2007). Dessa forma, observa-se que lavouras altamente produtivas demandam bastante K, porém exportam muito pouco, o que pode exigir investimentos mais elevados em fertilidade do solo nos primeiros anos de cultivo, porém, com o tempo e com o aumento do teor de K no solo, pode-se usar a estratégia de repor o que foi exportado via colheita, desde que seja adotado um sistema que minimize as perdas por lixiviação, erosão e escorrimento superficial.

A produtividade é aumentada quando se fornece doses adequadas de K devido á manutenção da área foliar fotossinteticamente ativa por mais tempo, além da planta controlar melhor a perda de água através da transpiração, o que pode atenuar uma condição de estresse hídrico e térmico.

A qualidade da fibra pode ser menor se a deficiência de K for muito severa, principalmente o comprimento (devido á menor expansão da célula – fibra), o micronaire (menor deposição de celulose na parede secundária da fibra) e a resistência, além do índice de fibras curtas ser maior.

Aduba

O aplicativo Aduba da plataforma Cotton Apps pode auxiliar no manejo adequado da adubação da lavoura de algodão, em relação às doses e fontes utilizadas, além do acompanhamento do status nutricional via análise foliar (Figura 5).

Tela de celular com texto preto sobre fundo branco

Descrição gerada automaticamente

Figura 5. Tela da diagnose foliar do aplicativo Aduba da plataforma Cotton Apps.

Para baixar o aplicativo Cotton Apps clique aqui para Android ou IOS (iPhone)

Por Fábio Rafael Echer, Doutor em Agronomia e professor na Unoeste em Presidente Prudente-SP

Contribuiu Dr. Ciro A. Rosolem, professor titular na FCA/Unesp em Botucatu-SP


COMPARTILHE

Compartilhe no Facebook Compartilhe no LinkedIn Compartilhe no WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.